Design Freelancer Inspiração

MINHA FAMÍLIA E MEUS AMIGOS NÃO ACREDITAM NA CARREIRA DE DESIGNER, E AGORA?

By on junho 9, 2017

 

 

Ter sonhos e projetos de vida apoiados por quem você ama te traz uma segurança inexplicável, afinal, nada melhor que contar com o apoio da família e amigos para te fortalecer nas batalhas diárias.

 

As vezes um simples "eu acredito em você" ou um "eu sei que você consegue" podem animar totalmente o seu dia,
reavivando o seu ânimo e sua vontade de seguir em frente.

 

O grande problema é quando essas pessoas que deveriam te apoiar acabam te desanimando com comentários negativos, tentando de toda e qualquer maneira fazer com que você desista dos seus sonhos.

 

Dentro do design isso ocorre pelo fato dessas pessoas não entenderem o que é e como funciona a profissão.

 

É da natureza humana sentir medo e insegurança do desconhecido e não adianta você gastar tempo e saliva
tentando explicar todo o processo pois essas pessoas não vão entender, uma vez que estamos falando de universos completamente opostos, os quais não se comunicam.

 

A única maneira de conseguir convencer essas pessoas é através de resultados.

 

E como eu sei disso? Eu sei porque eu passei exatamente por esse mesmo tipo de situação e no decorrer deste artigo vou te mostrar como vencer essa barreira, mas pra isso preciso te contar um pouquinho da minha história.

Mãe, pai, vou ser designer!

 

Créditos: Pixabay

 

 

Sou de uma pequena cidade do interior de Minas Gerais na qual a economia é voltada para as atividades de mineração, agropecuária e construção civil e foi dentro desse cenário que eu decidi chegar até os meus pais e fazer o
comunicado oficial: VOU SER DESIGNER!

 

O problema é que meus pais me imaginavam dentro de uma faculdade estudando agronomia ou engenharia, mas acontece que eu nunca gostei de ficar dentro de uma sala de aula estudando conteúdos engessados e sendo ensinado de uma forma mecanizada ainda mais com temas que não me atraíam em nada.

 

Sei o quanto é importante e valioso concluir uma faculdade, mas nesse momento não era o que buscava em minha vida.

 

Foi então que decidi correr atrás de um emprego na área que me fascinava, o design!

O primeiro emprego trabalhando com design.

 

 

 

Com 17 anos eu consegui meu primeiro emprego em um estúdio de comunicação visual com o cargo de arte finalista no qual eu recebia uma quantia de aproximadamente R$ 680,00. A felicidade com o trabalho era tanta que o baixo salário nem foi problema.

 

Todos os dias no horário de almoço eu utilizava o próprio computador do trabalho para assistir vídeos, ler artigos, visitar sites... enfim, tudo que estivesse relacionado ao design.

 

Costumo dizer que esse emprego foi o pontapé inicial da minha jornada, foi a partir dele que tive a certeza que era com design que viria a trabalhar por toda a minha vida e então decidi me aprofundar absurdamente sobre o assunto.

 

 Saindo do emprego e seguindo como freelancer.

 

Créditos: Pixabay

 

Trabalhei nesse cargo de arte finalista por 4 anos e nesse tempo busquei me capacitar para conseguir me tornar um designer de verdade.

 

Investi pesado em materiais para estudo como cursos e livros e devo dizer que toda informação que encontrava sobre design era considerada extremamente valiosa.

 

Foi quando me senti capaz de dar o próximo passo em minha vida profissional e eis que chegou o dia em que decidi sair do meu emprego e tentar a vida trabalhando como designer freelancer e então tive que encarar meus pais mais uma vez e informar sobre a minha decisão:

 

 

Mãe, pai, vou sair do meu emprego!

 

E, como já era de se esperar eles não aprovaram muito essa ideia.

 

Me lembro muito bem do meu pai dizendo:

 

"-Será que isso vai funcionar em uma cidade pequena?".

 

E a verdade é que eu mesmo ainda não sabia responder essa pergunta mas mesmo assim mantive firme a minha decisão e resolvi assumir os riscos.

Isso nunca vai dá certo!

 

Créditos: Pixabay

 

Quando comecei minha carreira freelancer tive que iniciar de forma humilde, em uma salinha alugada nos fundos de uma loja de artigos e presentes de um grande amigo. Nessa época algumas pessoas que se diziam "amigas" riram da minha cara e disseram que eu estava louco.

 

Pessoas da minha família diziam que eu estava perdendo tempo e que o certo seria deixar currículos em firmas da cidade para conseguir um emprego de verdade.

 

E em um caso específico, um "amigo" foi até a minha salinha e me disse
as seguintes palavras:

 

"-Você só pode ser louco em trocar o certo pelo duvidoso. Isso nunca vai dá certo e se eu fosse você voltaria pro seu antigo emprego."

 

Devo admitir que o medo e a incerteza começaram a me incomodar frequentemente. Passei muitas noites sem dormir pensando se eu realmente tinha feito a escolha certa ou se todas aquelas pessoas que disseram que eu estava louco é que tinham razão.

 

Mas em meio a toda essa tempestade de negatividade e pessimismo encontrei pessoas que acreditaram em meu sucesso, alguns amigos de verdade que sempre me apoiaram, minha namorada que sempre me deu forças e até mesmo meus pais, que depois de enxergarem a minha determinação começaram a me apoiar ainda que um
pouco relutantes às minhas escolhas.

Os primeiros resultados.

 

Créditos: Pixabay

 

Depois de algum tempo nessa caminhada como freelancer consegui economizar uma certa quantia em dinheiro para viajar e participar pela primeira vez de um evento sobre criatividade e design em São Paulo - SP.

 

Nessa viagem postei várias fotos do evento e algumas das pessoas que não acreditavam em mim ficaram surpresas ao verem que eu estava firme em minha jornada e ainda em um processo de crescimento.

 

Absorvi o máximo de conteúdo possível nessa viagem e voltei para minha cidade com a cabeça borbulhando de ideias e com a energia para continuar minha caminhada totalmente renovada e pronto para colocar em prática tudo o que tinha aprendido e foi exatamente o que fiz.

 

Continuei fazendo cursos, treinamentos e viajando com frequência para participar de outros eventos afim de manter a evolução e o mais importante de tudo, sempre me mantendo firme, buscando novos clientes, novas possibilidades e novos desafios.

 

Da cidadezinha do interior para o mundo.

 

Créditos: Pixabay

 

Com os conhecimentos que eu havia adquirido comecei a entender que não precisaria ficar limitado somente a clientes na minha cidade, clientes que em alguns casos não podiam pagar o valor dos meus serviços e vi que eu poderia buscar novos clientes com maior potencial em várias partes do país e até mesmo fora dele utilizando o poder da internet.

 

A partir daí se iniciava mais uma fase, a captação de clientes on-line, só que pra isso eu precisaria abrir mão de alguns clientes da minha cidade para conseguir tempo para conquistar novos outros através internet, e assim eu fiz...

 

E mais uma vez apareceram as pessoas negativas e pessimistas me dizendo que eu tinha que trabalhar com os clientes que eu já tinha e não arriscar perdê-los na busca de novos, o mesmo blá blá blá de sempre.

 

Na minha visão ficar satisfeito com algo mediano quando se pode buscar algo grande se chama comodismo / estagnação, a famosa zona de conforto, e eu sabia que isso poderia acabar com minha carreira.

 

Então, novamente acreditei no meu potencial e fui a luta com todas as forças e muita confiança e dentro de pouco tempo e muito esforço consegui fechar trabalhos com clientes de várias regiões do Brasil e até mesmo com clientes de outros países, como os Estados Unidos.

 

 

Parece que o jogo virou, não é mesmo?

 

Créditos: Pixabay

 

A partir do momento em que meus resultados foram aparecendo, aquelas mesmas pessoas que antes não acreditavam na minha decisão de viver do design começaram a me elogiar e dar os parabéns pelo meu trabalho.

 

Eu não precisei sair por aí contando pras pessoas que minha carreira estava dando certo, os meus resultados estavam mostrando isso à elas.

 

O mais legal foi que uma dessas pessoas que não acreditou em mim no início, acabou se inspirando na minha história após ver os meus resultados.

 

E, por isso veio me procurar pedindo algumas "dicas" pois ela estava disposta a sair do trabalho e começar um negócio próprio.

 

Devo admitir que fiquei muito feliz em ver como os resultados que gerei foram transformadores nas vidas de outras pessoas.

Resultados valem mais que palavras.

 

 

 

Se você realmente deseja provar para sua família e para seus amigos que você pode sim viver como designer (ou em outra carreira), acredite em si mesmo e batalhe com todas as suas forças para ter excelentes resultados.

 

Não seja um profissional com resultados ordinários, faça o seu melhor e seja reconhecido por ter resultados extraordinários.

 

E saiba que as mesmas pessoas que te enxergaram com dúvidas e incertezas no início da sua caminhada, mais tarde irão te enxergar com admiração e respeito.

 

Esteja perto de pessoas que pensem igual a você.

 

Créditos: Pixabay

 

 

Você já deve ter visto a seguinte frase:

 

"Você é a média das 5 pessoas com quem convive".

 

Se você convive apenas com pessoas negativas e pessimistas é bem provável que você se torne uma pessoa com esse tipo de perfil.

 

Busque sempre estar junto a pessoas que visam os mesmos ideais que você, isso te dará força e ânimo para seguir em frente.

 

Seja fisicamente ou através de grupos na internet, o importante é estar em comunidade com pessoas que estejam dispostas a conquistar resultados da mesma forma que você.

 

E saiba que sempre existirão pessoas que não conseguem te entender e por isso não te apoiarão,

 

mas que também existem as pessoas que te entendem e estarão dispostas a te ajudar, cabe a você decidir com quem quer estar.

 


Agora é com você!

A sua família acredita na carreira de designer?

E os seus amigos?

E você, acredita?

Me responda aqui nos comentários, vai ser um prazer bater um
papo com vocês.

E se você tiver gostado desse artigo por favor, compartilhe com seus amigos.

Te espero no próximo artigo com um novo conteúdo incrível.

Um grande abraço e nos vemos em breve!!

 

TAG
RELATED POSTS

LEAVE A COMMENT